Agora que o bitcoin (BTC) está se estabelecendo como uma reserva alternativa de valor, cresce o medo de que os governos possam um dia se sentir motivados a tentar derrubá-lo.

Os membros da comunidade Bitcoin Revolution têm recentemente feito brainstorming de cenários envolvendo ofensivas governamentais teóricas contra o popular criptoasset, desde estratégias baseadas na desinformação até proibições e até os clássicos ataques de 51%.

Entretanto, os números da indústria disseram à Cryptonews.com que acreditam que a probabilidade de um grave ataque estatal à rede Bitcoin é baixa.

Mesmo que um governo (ou dois) estivessem motivados a atacar o popular cryptoasset, os especialistas dizem que sua natureza descentralizada poderia protegê-lo contra graves conseqüências, permitindo-lhe contornar as proibições e continuar a funcionar mesmo após uma tentativa de ataque de 51%.

O ‚Clássico‘ ataque de 51%

No início de agosto, o desenvolvedor Bitcoin Matt Odell pediu a seus seguidores do Twitter que imaginassem a maneira mais agradável que um ator do estado poderia atacar o BTC.

Se você fosse um ator estadual sofisticado e quisesse atacar o Bitcoin, como o faria?

– Matt Odell (@matt_odell)

Havia três tipos principais de resposta à pergunta. O proeminente analista de criptografia e blogueiro Galgitron respondeu colocando um link para um post de blog de 2019 onde ele explicou suas teorias sobre como a China poderia „atacar com sucesso o Bitcoin com um ataque de 51%“.

Ele teorizou que o governo chinês poderia forçar as piscinas mineiras com base na China a executar um ataque de 51%.

Embora isto seja teoricamente possível, a maioria dos números da indústria e especialistas acreditam que é altamente improvável.

Jay Hao, CEO da OKEx, diz,

„Acho que Bitcoin atingiu agora o estágio e um nível de computação onde é quase impossível para qualquer Estado-nação derrubar“. Mas, mais do que isso, não há realmente nenhum incentivo para fazer isso“.

O principal argumento de Jay Hao é que a rede Bitcoin poderia facilmente resistir a qualquer tipo de ataque de 51%.

O chefe da OKEx acrescenta,

„O que eles conseguiriam depois de ter forquilhado a cadeia? Os mineiros de bitcoin não vão se mudar para a nova cadeia, eles simplesmente continuariam a extrair a cadeia antiga. Os perpetradores também seriam revelados e isso teria conseqüências realmente sérias internacionalmente por causa de todas as principais partes interessadas agora envolvidas no ecossistema Bitcoin“.

Proibições, leis, excesso de cumprimento

Um ataque de 51% parece remoto, dado o potencial de queda envolvido. Entretanto, uma resposta popular à pergunta de Odell – incluindo uma sugestão do próprio Odell – envolve uma combinação de proibições, leis e ações que imporiam um grau proibitivamente alto de (isto é, conhecer seu cliente [KYC]) conformidade.

Se você fosse um ator estatal sofisticado e quisesse atacar o bitcoin, como você o faria?

– Matt Odell (@matt_odell)

Outros concordam que a ação regulamentar e legal contra o bitcoin é muito mais provável do que um ataque técnico em maior escala.

Jiang Zhuoer, o CEO das piscinas de mineração com base na China BTC.TOP e B.TOP, opina,

„Acredito que se um Estado-nação quisesse ‚derrubar‘ o bitcoin, o faria através de leis ao invés de um ataque PoW [prova de trabalho]“.

Dito isto, tais leis só poderiam (um pouco) limitar o número de pessoas que usam bitcoin, de acordo com Jay Hao.

Ele diz,

„Também não há como os países poderem proibir as pessoas de possuir algo que seja resistente à censura e fora do controle de qualquer governo“. Os governos podem (e têm) banido o bitcoin. Mas isso não impede as pessoas de usá-la. Isso dificulta, obviamente, mas é tecnicamente impossível proibir a bitcoin“.

Riscos da desinformação

A terceira resposta mais comum ao fio da Odell girava em torno da desinformação: Os governos podem procurar minar a credibilidade da Bitcoin e ao mesmo tempo tentar semear confusão e conflito dentro da comunidade da moeda criptográfica.

Algo assim já está acontecendo. Os governos – e as pessoas que os dirigem – há muito vêm se pronunciando contra o bitcoin, destacando (ou exagerando) seus piores aspectos enquanto subestimam seus pontos fortes.

Não sou fã do Bitcoin e de outras moedas criptográficas, que não são dinheiro, e cujo valor é altamente volátil e b… https://t.co/0omEhZAtvw

– Donald J. Trump (@realDonaldTrump)

Mesmo com este fluxo semi-regular de críticas, é improvável que haja uma desinformação mais sistemática e substancial, principalmente porque seria pouco provável que fosse bem sucedida.

Para um, muitos estados estão de fato se tornando menos resistentes ao bitcoin, apesar dos medos persistentes da comunidade. Esta é a opinião de Tim Rainey, o CFO da empresa de serviços de mineração Greenidge Generation, com sede em Nova York.

Rainey diz à Cryptonews.com,

„Acreditamos que o tempo em que os principais estados resistiram ao Bitcoin já passou e estamos agora na fase em que os reguladores estão vendo as vantagens potenciais do Bitcoin e de outras cadeias de bloqueio, e estão trabalhando para integrá-los às estruturas regulatórias existentes ou para criar novas regulamentações para eles“.

Na verdade, alguns argumentariam que uma guerra de informação já está, de fato, em curso e tem sido travada contra o bitcoin por grande parte da mídia convencional até agora – com pouco efeito óbvio sobre o crescimento do token.

Isto se deve em parte ao fato de que a criptografia tem seu próprio e vibrante setor de mídia, que fornece cobertura e comentários mais especializados para equilibrar a negatividade da grande mídia.

O Futuro

É provável que a bitcoin se torne mais resistente a ataques no futuro, tanto no sentido técnico como no sentido social, político e econômico.

Hao explica,

„Os desenvolvedores do Core Bitcoin estão trabalhando o tempo todo para tornar a rede mais resistente a qualquer ataque desse tipo. Eles lançaram recentemente o mais recente software Asmap para frustrar um ataque do Estado-nação, embora ainda não seja uma correção à prova de tolos“.

Da mesma forma, a concentração de mineração está diminuindo lentamente longe da China, de 75% no terceiro trimestre de 2019 para 65% no segundo trimestre do ano fiscal de 2020, segundo dados da Universidade de Cambridge.

Dmitrii Ushakov, o CCO do provedor de serviços de mineração BitRiver, com sede na Rússia, explica,

„Para reduzir a probabilidade de um ataque estatal ser bem sucedido, o hashrate Bitcoin deveria ser distribuído de forma mais uniforme em todo o mundo em diferentes jurisdições nacionais. Nós da BitRiver estamos trabalhando para isso desde 2017“.

E à medida que mais pessoas compram a Bitcoin, mais governos se tornarão avessos a atacá-la – por medo de perturbar os interesses instalados, se nada mais.

Jay Hao conclui,

„Bitcoin tem crescido tanto. Tem agora múltiplos interessados diferentes, desde investidores de varejo e especuladores até gigantescas operações de mineração, grandes empresas de tecnologia, empresas de pagamento tradicionais, bancos e investidores institucionais“.